Profissionais protestam contra ato médico


>



Manifestantes são contra aprovação do ato médico, que submete outros profissionais da saúde à aprovação de médicos

 

protesto_ato_medico_075.jpg

 

Profissionais e estudantes da área da saúde fazem manifestação no centro de Curitiba contra o projeto de lei que regulamenta o ato médico. Cerca de 200 pessoas estão na Boca Maldita colhendo assinaturas contra o projeto. O ato médico submete a consulta com fisioterapeutas, terapeutas, psicólogos e nutricionistas ao crivo de médicos.

 

protesto_ato_medico_063.jpg

 

Com a medida, profissionais da saúde que não são médicos ficariam impedidos de fazer diagnósticos. "Todas as áreas vão ser prejudicadas porque vai restringir o trabalho desses profissionais", afirma a estudante de fisioterapia, Flávia Matos.

 

protesto_ato_medico_081.jpg

 

Os manifestantes defendem que os outros profissionais de saúde são treinados para identificar um determinado conjunto de fatores conforme determinam as diretrizes curriculares dos cursos. Portanto, a categoria acredita que o diagnóstico não pode ser dado apenas pelos médicos.

 

protesto_ato_medico_064.jpg

 

As assinaturas recolhidas hoje vão ser enviadas para o relator da Câmara dos Deputados, em Brasília. A data prevista para a votação do projeto é o próximo dia 16 de maio.

Profissionais protestam contra ato médico Profissionais protestam contra ato médico Revisado by Dani Souto on 15:14 Nota: 5

Um comentário

Anônimo disse...

RESPOSTA DE UM FISIOTERAPEUTA AO “ATO MÉDICO”
ED. LOPES, ALBERT DE CASTRO - UNIUBE
Caros senhores favoráveis ao “Ato Médico”, se o grande problema é
"prescrever", por favor, preciso que me prescrevam um tratamento fisioterapêutico para
um paciente de 45 anos com uma tendinopatia crônica do tendão do músculo supraespinhoso,
apresentando calcificação no tendão. Ele apresenta história ocupacional de
trabalho com elevação dos membros superiores acima do nível da cabeça (é vendedor
de loja de roupas).
Como é ex-jogador de voleibol, desenvolveu lesão do nervo supra-escapular,
que culminou numa atrofia do músculo infra-espinhoso. Devido a distúrbios hormonais,
desenvolveu osteoporose. Na avaliação, apresentou restrição da mobilidade da cápsula
posterior do ombro, fraqueza dos músculos rotadores internos do úmero (grau 3), além
de fraqueza de serrátil anterior e trapézio fibras inferiores (graus 4 para os dois
músculos). A articulação esterno-clavicular também tem sua mobilidade diminuída.
O que devo fazer, Dr.? Como posso fazer para restaurar a mobilidade da
articulação? O que é mais indicado: mobilização articular ou alongamento? No caso de
ser mobilização, que grau devo utilizar? No caso de ser alongamento, é preferível o
alongamento ser estático ou balístico? Ou seria melhor utilizar de contraçãorelaxamento?
Qual o tempo adequado de manutenção do alongamento? Ou será que é
tudo contra-indicado, devido à osteoporose?
Com relação ao fortalecimento dos rotadores internos do úmero, qual exercício
seria mais indicado para fortalecer o músculo sub-escapular, importante na estabilização
dinâmica da articulação gleno-umeral? Devo usar thera-band, halteres, resistência
manual ou simplesmente realizar exercícios ativos livres?
Com relação ao serrátil anterior qual exercício seria mais indicado?
Push-ups? Protração resistida? Exercícios ativos apenas, simulando atividades
funcionais e procurando evitar movimentos escapulares anormais?
Tudo isso? Nada disso? E se ele utilizar de compensações para a realização dos
exercícios, como devo proceder?
Com relação ao trapézio inferior, é melhor fazer o exercício contra ou a favor
da gravidade? Devo ou não utilizar de movimentos ativo-assistidos?
Qual o melhor exercício? Existe tal exercício?
No caso da restrição da articulação esterno-clavicular, é necessário corrigir
essa alteração de mobilidade? Se for, é possível corrigi-la? Como proceder. Tem contraindicações
ou precauções?
Não podemos nos esquecer de tratar também o tecido lesado (tendão do supraespinhoso).
Ele apresenta dor moderada ao elevar o membro superior D acima de 90
graus, que diminui a praticamente zero ao abaixar o braço. É necessária analgesia? Se
for, que forma TENS? Qual a modulação (frequência, comprimento de onda, duração e
intensidade)? Ou será que crioterapia é melhor? Em qual forma de aplicação? Por
quanto tempo? Ou será que nenhuma analgesia é necessária?
O que posso fazer para estimular o reparo do tendão? US (quantos MHz?
Quantos W/cm2? Por quanto tempo? Onde aplicar?), Laser (qual a intensidade?
duração? tem contra-indicações?), exercícios (excêntricos, concêntricos, isométricos,
resistidos, livres? quantas séries e repetições? Qual o intervalo entre séries? Quantos
RM? Devo fazer todos os dias ou não? É contra-indicado exercício?).
Como posso fazer um exercício para supra-espinhoso?
Por favor, repassem essa mensagem com urgência para todos os médicos com
competência para me ajudar, pois estou com o paciente afastado do trabalho por
invalidez e continuo aguardando a "prescrição médica da fisioterapia", já que sem a
"prescrição médica", segundo o ato médico, não posso fazer nada $e nós todos os
brasileiros, inclusive os médicos estamos pagando para ele não trabalhar. Não deixemos
esse afastamento virar aposentadoria!
Concluindo: Sim ao ato médico, desde que os médicos estudem na faculdade
todo o conteúdo que outras 13 profissões da área de saúde têm em seu currículo.
Ft. Marco Tulio Saldanha dos Anjos
CREFITO-4 51246-F