Clínica de Fisioterapia da Unip abre vagas


>




Quando o assunto é fisioterapia, as pessoas logo lembram de problemas ortopédicos ou musculares. No entanto, este tratamento, por meio de massagens, ginásticas e diversas outras técnicas, cuida também de problemas cardiorrespiratórios. É exatamente nesta área não tão conhecida da população que a Clínica de Fisioterapia da Universidade Paulista (Unip) em Bauru está oferecendo 50 vagas para tratamento gratuito.

"Nós ajudamos os paciente com asma, bronquite e efisema, que têm bastante dificuldade de respirar e se cansam facilmente, fortalecendo sua musculatura respiratória. Como esses problemas não têm cura, nós melhoramos seu condicionamento físico e, conseqüentemente, sua qualidade de vida", diz Fábio Banuth, supervisor da área cardiorespiratória da clínica.

Na área cardíaca, por exemplo, damos auxílio a pacientes que acabaram de passar por cirurgias. O único pré-requiso é encaminhamento médico. Mais informações pelo telefone (14) 3312-7031.
Clínica de Fisioterapia da Unip abre vagas Clínica de Fisioterapia da Unip abre vagas Revisado by Dani Souto on 04:14 Nota: 5

Um comentário

Anônimo disse...

A Coordenação de Fisioterapia

Meu nome é Aparecida de Cássia, sou estudante do último ano de fisioterapia da Anhanguera Educacional de Campinas - Unidade III.
Estou desenvolvendo uma pesquisa, que trata-se abordagens fisioterapêuticas da Apraxia nas meninas portadoras de Síndrome de Rett.
Gostaria de saber se na clínica de atendimento de vocês, tem alguma menina com Síndrome de Rett, para que eu possa assim enviar uma carta explicativa e o questionário a ser preenchido. Devo deixar claro que comprometo-me a fazer publicar um artigo científico retirado desta pesquisa e se for seu desejo e de seu interesse, teremos enorme prazer em colocar o nome do profissional (que responder ao questionário) como colaborador(a) deste material que, sem dúvida, poderá nortear muitos outros fisioterapeutas de todo o Brasil no manuseio da paciente com a Síndrome de Rett.

Esta pesquisa tem conhecimento e apoio da ABRE-TE (Associação Brasileira de Síndrome de Rett).

Aguardo retorno
Obrigado




Aparecida de Cássia santos
Pesquisadora